domingo, agosto 24

Poesia da amiga Odete


(in) Fecundidades

(odeteronchibaltazar)

Tem dias
que as palavras ficam rebeldes
e somem das minhas mãos.
E os versos,
que deslizariam lépidos
pelos meus dedos,
quebram-se antes da ovulação.
Meus olhos, inquietos,
procuram a poesia
por todos os cantos.
Mas onde o consolo?
Onde os encantos?
Onde a minha salvação?
Nestes dias
descoloridos e rudes,
as lágrimas têm sabor de deserção.
E enquanto os dedos recolhem fantasias,
desejos, luares e beijos
eu volto inda mais triste
para a minha solitária prisão.

odeteronchibaltazar

Nenhum comentário: